Que tal também visitar a cidade-irmã do Recife? Conheça Olinda, a primeira Capital Brasileira da Cultura!

Recife


Regata para Fernando de Noronha

Recife dos navios. Era assim que chamada essa cidade plantada à beira do mar e à beira do rio. Era apenas um porto de Olinda, a capital de Pernambuco nos idos de 1535. E exatamente por essa condição de porto que Recife tornou-se um ponto de encontro de povos de várias culturas, um mosaico de costumes, o que gerou a cidade de maior diversidade cultural do país e que a todos encanta.


Essa diversidade cultural vai desde a sua gastronomia. Recife tem o terceiro pólo gastronômico do país que dispõe de opções para todos os gostos. Desde o amante da comida vegetariana, até os que apreciam os sabores mais picantes, como a cozinha mexicana, a cozinha baiana, entre tantas outras opções. Além dos restaurantes com pratos típicos locais, como é o caso da Peixada Pernambucana, a Galinha a Cabidela, o Arrumadinho.

Sem falar da grande variedade de frutas que são encontradas, seja em forma de sucos, seja na sua forma natural. Além da deliciosa água de coco, é claro!


E os doces, que é um registro vivo do período do chamado Ciclo do Açúcar e dos Engenhos. São compotas, doces, e bolos, como o tão apreciado Bolo de Rolo e o Bolo Souza Leão, que remonta ao tempo do Brasil Império.

Não podemos esquecer a famosa Cartola, uma das sobremesas mais apreciadas pelos da terra e pelos visitantes, que faz qualquer um esquecer a balança!

Sem falar das comidas de milho, tão comum no período de festas juninas.


Recife é festa! Essa diversidade cultural também pode ser comprovada nas suas festas, que começa pelo primeiro dia do ano, o réveillon.

O réveillon de Recife possui dois pólos de animação, sendo uma onda de pessoas de branco à beira mar da belíssima Praia da Boa Viagem. O réveillon de Boa Viagem regado a champanhe, cerveja gelada ou água de coco ouve além das explosões de fogos de artifícios, shows de artistas locais, com muito frevo, além de artistas nacionais convidados, numa mistura de ritmos musicais que só o Brasil possui.

O réveillon do Recife também pode ser curtido no Marco Zero do Recife, que também dispõe de shows de artistas nacionais e locais, além da queima de fogos, abrindo o novo ano.


E a partir de então, começa o Recife a respirar o Carnaval. Já é carnaval no Recife! O carnaval multicultural do Brasil. O carnaval do Recife é conhecido como o carnaval multi-cultural por reunir vários ritmos como o frevo, o maracatu, o caboclinho, a ciranda, o pastoril profano, o samba, o manguebeat, o afoxé.


O carnaval do Recife começa com suas prévias em clubes, em bailes de máscaras, nos ensaios dos blocos líricos, blocos de frevo, ensaios e maracatu, ensaios de escola de samba. No carnaval do Recife o frevo disputa com o maracatu de baque virado ou maracatu nação, com o maracatu de baque solto ou maracatu rural, disputa com o caboclinho, disputa com os afoxés, mas não falta os chamados perseguidores de todos esses ritmos contagiantes.


O carnaval começa oficialmente na sexta feira de carnaval com várias nações de maracatu, seguindo com o Galo da Madrugada, o maior bloco de carnaval do mundo, constante no Guinness Book, no sábado de Zé Pereira. E assim segue todos os dias de carnaval, numa folia contagiante.


Um registro especial para a Noite dos Tambores Silenciosos, que acontece na segunda-feira de carnaval, onde todas as nações de maracatus vão prestar homenagem aos eguns (almas) no Pátio do Terço. Nessa festa, que recebe a atenção de todos os visitantes do carnaval de Recife, à meia noite todos os tambores silenciam para reverenciar os seus antepassados, num espetáculo de grande emoção.

Segue os demais dias no carnaval do Recife com grande animação até que chega “...oh quarta-feira ingrata chega tão depressa só pra contrariar...”


E Recife agora se prepara para as Paixões. Pernambuco das Paixões. É o ciclo da quaresma. Nesse período iniciam as procissões tradicionais, procissões que existem desde o período do Brasil colônia. Com grande emoção Recife assiste a Procissão do Encerro e a Procissão dos Passos, que levam multidão às ruas do Recife.

Além do belo espetáculo da Paixão de Cristo. Do Recife pode-se visitar Nova Jerusalém e assistir ao espetáculo da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, em Fazenda Nova.


Terminado o período da semana santa, o Recife começa a pensar no seu ciclo junino. No Recife é São João! E respeita as tradições. É forró! São quadrilhas, coco de roda, ciranda.

Com um autêntico forró pé-de-serra o Recife tem um grande São João, com vários pólos de animação espalhados pela cidade, com música e comidas típicas durante todo o mês de junho. Artistas como Arlindo dos 8 baixos apresentam-se em várias casas de forró, como a Casa de Zé Nabo, Sala de Reboco, Aconchego do Matuto, Cafundó e no Forró do Arlindo dos 8 Baixos. Músicas de Luiz Gonzaga, o Rei do Baião e de seus discípulos são ouvidas por todos os pólos de animação do São João do Recife.


Além das festas do período junino, um destaque para a comida típica, a gastronomia do ciclo junino, com suas mesas fartas de comidas de milho, que é herança do europeu na formação do povo nordestino. Mesas compostas de canjica, pamonha, milho cozido, milho assado, o bolo pé-de-moleque, vários tipos de tapiocas, mungunzá, etc.


Mas o gosto pela diversidade na cultura se estende para os festivais que acontecem em Recife.

O Festival de Cinema, o Cine-PE de Audiovisual reúne o maior número de espectadores do Brasil, no Centro de Convenções de Pernambuco.


A Fenneart – Feira Nacional de Negócio de Artesanato é hoje a maior feira de artesanato da América, reunindo stands de quase todos os municípios do Estado de Pernambuco, quase todos os Estados do Brasil e quase todos os Países da América Latina, além de lugares como Síria, Índia, Líbia, Líbano e Ilha de Java, e tem também apresentações de shows diariamente.


E o Recife de dois em dois anos recebe a Bienal do Livro que leva milhares de leitores ao Centro de Convenções de Pernambuco.

Além de vários congressos que o Recife recebe durante todo o ano, no Centro de Convenções de Pernambuco. Com capacidade para receber mais de 6.000 pessoas, 02 teatros, 04 auditórios e 22 salas de convenções com capacidade para abrigar eventos de pequeno, médio e grande porte com conforto, funcionalidade e dinamismo.


São todos esses ritmos, cheiros, sabores e cores que rodeiam o Recife que inspiram poetas do presente e do passado.


E o Recife possui o passeio turístico denominado Circuito dos Poetas, que trata-se de um passeio que leva-nos ao encontro com Manuel Bandeira, João Cabral de Mello Neto, Joaquim Cardoso, Solano Trindade, Capiba, Antônio Maria, Chico Science, Mário Mota, Carlos Pena Filho, Ascenso Ferreira, Clarice Lispector e o Dom da Paz, Dom Hélder Câmara. Durante esse passeio o visitante pode conhecer as ruas históricas do Recife, como por exemplo, Rua do Bom Jesus, com seu casario que registra o período do Brasil Holandês, que teve sua sede em Recife, sob a batuta do Conde Maurício de Nassau.


Além de conhecer as dezenas de igrejas existentes na cidade, como as belas igrejas de São Pedro dos Clérigos, Igreja Nossa Senhora do Carmo, a Capela Dourada, o Convento Franciscano, entre tantas outras. Nesse passeio o visitante poderá fazer compras na Casa da Cultura de Pernambuco (antiga Casa de Detenção) ou no Mercado de São José, o mercado público mais antigo do Brasil, com suas estruturas arquitetônicas preservadas. Nesses pontos de compras o visitante poderá comprar artesanatos, além de ervas e até fazer uma visitinha à loja de Dr. Raiz, além de consultar as rezadeiras que possuem nos boxes do mercado.


E por falar em diversidade cultural, a religiosidade é um capítulo à parte. No Recife, o visitante poderá fazer o turismo religioso católico, onde são contempladas a Igreja Nossa Senhora do Carmo, o túmulo de Frei Damião, o Santuário da Mãe Rainha Três Vezes Admirável, e o santuário de Nossa Senhora no Morro da Conceição.

Mas a religião de Recife também tem sua diversidade, e o culto afro-brasileiro também é contemplado, com visitas a terreiros de candomblé ou de xangô, como é comum aos da terra, como é o caso do Terreiro de Pai Adão e o Terreiro Santa Bárbara da Nação Xambá.


E para a preservação desse grande legado de diversidade cultural, os museus são vários.

Destaque para Museu do Homem do Nordeste, Fundação Gilberto Freyre, Instituto Ricardo Brennand, Oficina Cerâmica de Francisco Brennand, Memorial Luiz Gonzaga, Museu de Arte Popular, Casa do Carnaval, Núcleo Afro Brasileiro, Mamam – Museu de Arte Moderna Aluízio Magalhães, Museu da Cidade do Recife, Museu do Estado, com um destaque para a coleção do artista plástico Cícero Dias etc.


Além dos museus, ainda pode-se visitar o Forte das Cinco Pontas e o Forte do Brum, além da Sinagoga Kahal Zur Israel, a primeira sinagoga das Américas, do período holandês no Brasil.


Além dessas opções por terra, ainda podemos conhecer o Recife pelo Rio Capibaribe, em um passeio de catamarã, passado por baixo de várias pontes que cortam o centro do Recife.


Ou, se você preferir, pode conhecer o Recife pelo ar! Através do passeio panorâmico, possibilitando a visão panorâmica de todas as ilhas do Recife, além de Olinda e de todo o litoral sul e norte de Pernambuco.


E pra quem quiser curtir um mergulho, atenção, você está na capital dos naufrágios. Recife é considerada a capital dos naufrágios. O Recife possui mais de vinte navios naufragados, alguns com 400 anos. Um dos mais procurados pelos veteranos é o Pirapama. Para isso o Recife dispõe de escolas de mergulho para os iniciantes, bem como para os veteranos, que vêm em busca de águas claras e mornas.


Mas quem quiser ficar em terra, vale a pena jogar golf no Caxangá Golf.


E nos intervalos, nada como experimentar a bela praia de Boa Viagem, com suas águas calmas e mornas, com piscinas naturais, promovidas pela ocorrência dos arrecifes que tanto impressionaram Charles Darwin, no ano de 1836, a bordo do navio Beagle, que viajou durante cinco anos.

No Bairro de Boa Viagem o visitante encontra uma excelente rede de hotéis, restaurantes, lojas e supermercados, e do Shopping Center Recife, além de clínicas e hospitais. O Bairro de Boa Viagem fica a apenas 10 minutos do Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freyre, possibilitando ao máximo sua estada na capital multicultural do Brasil.

E mais, fica apenas a 20 minutos de Olinda, patrimônio da humanidade e primeira capital brasileira da cultura.


Vamos até lá?!


Voltar ao topo


Praias


Vamos ver esse Recife Prateado!


O Sol aqui acorda cedo, assim vamos começar esse passeio pela Praia da Boa Viagem e Praia do Pina ou se preferir podemos ir a Praia de Porto de Galinhas que fica a apenas 1 hora de Recife. Mas não deixe de conhecer a Praia dos Carneiros, Tamandaré, Praia de Calhetas e Ilha de Itamaracá com seu Forte Orange e o Projeto Peixe-Boi, além de Vila Velha, a primeira capital da Ilha de Itamaracá.


São 187km de praias com águas mornas, sem contar com o Arquipélago de Fernando de Noronha.


Praia de Boa Viagem

Praia de Boa Viagem


Famosa pelas suas piscinas naturais formadas pela ocorrência dos arrecifes.


Clique aqui e conheça mais sobre a Praia de Boa Viagem!



Voltar ao topo


Naufrágios em Recife e Fernando de Noronha


Quando convidamos você a mergulhar de cabeça na História e Cultura de Recife, pode levar ao pé da letra, pois além de toda sua História e Cultura, Recife atende pelo título de Capital dos Mergulhos! Assim, vamos ao fundo!


Considerada pelos mergulhadores como a capital brasileira dos naufrágios, Recife reúne em suas águas claras doze naufrágios operáveis, com profundidades que variam entre 12 e 58m.


Com uma visibilidade média de 20m durante os meses de Setembro e Abril e com temperatura média anual de 27ºC. Os naufrágios, além de ser decorados por lendas e histórias fabulosas, pode ser apreciada a riquíssima vida marinha, com enormes cardumes que nos apresenta painéis pintados por Netuno que formam verdadeiras paredes vivas, tartarugas e raias de grande porte. E com possibilidade de mergulhos noturnos, o mais faosos do Brasil.


Sem dúvida, para mergulhar, Recife é o lugar!


Os naufrágios são: Areeiro (12m); Vapor de Baixo(21m); Pirapama(25m), o mais procurado para mergulho noturno; Servimar X(25m); Comandante Alvarenga(25m); Chata de Noronha(31m); Miuano(32m); Flórida(33m); Lupus(36m); Vapor Bahia(26m): - Silêncio! É onde dormem os tubarões lixa; Vapor 48(48m) e Corveta Camaquã(58m).


Voltar ao topo


História


Olinda

Para voltar ao tempo, vamos andar a pé nas ladeiras de Olinda – Patrimônio Artístico e Cultural da Humanidade – e pelas ruas dos bairros históricos do Recife Antigo, Bairro de Santo Antônio, São José e Boa Vista. Os conjuntos arquitetônicos, que nos levam ao período do Brasil colonial que esteve ora sob o domínio dos holandeses, ora dos portugueses, que lutaram pelo domínio dessas terras em busca do monopólio na produção e comércio do açúcar, e que ainda hoje guarda essa memória em seus engenhos, situado em municípios próximos ao Recife. Além de suas dezenas de igrejas com seus pátios rodeados de belos casarios. Ainda podemos entrar em seus fortes que protegiam as Ilhas do Recife e Santo Antônio.


Voltar ao topo


Monumentos


Na Praça da República, projetada por Burle Marx, podemos encontrar os prédios históricos do Palácio do Campo das Princesas, o Palácio da Justiça, o Teatro de Santa Izabel e o Liceu de Artes e Ofícios, além do imenso baobá que reina nessa praça que também é cercada por deusas romanas.


Rua da Aurora

Casario da Aurora


A visão da Rua da Aurora a partir da Rua do Sol é um dos mais belos cartões postais do Recife, quando podemos avistar o casario preservado, que nos leva a mais um belo monumento histórico, a Casa da Cultura de Pernambuco.



Casa da Cultura

Casa da Cultura


A Casa da Cultura é uma antiga Casa de Detenção de 1850, que funcionou até o ano de 1973 e reaberta em 1976 para visitação em suas celas, hoje transformadas em lojinhas de artesanatos, possui uma cela original para visitação. Além de um imenso painel do artista plástico Cícero Dias, alusivo as Revolução Republicana de 1817 e da Confederação do Equador.


Pontes

Pontes


O Recife é conhecido como a Capital dos Rios e das Pontes. Existem hoje em Recife 40 pontes, mas nem sempre foi assim. A primeira ponte construída nas Américas foi a ponte hoje conhecida como a Ponte Maurício de Nassau que levou o seu nome em homenagem ao seu realizador, com um destaque para a façanha do Boi Voador que após quase 4 séculos ainda aguça a curiosidade dos visitantes da cidade. Além dessa, são mais 07 pontes que cortam o centro do Recife, ligando as pessoas e as 03 ilhas que formam o centro do Recife: Ilha do Recife Antigo, Ilha de Santo Antônio e Ilha da Boa Vista.


Igrejas


Existem mais de 20 igrejas espalhadas pelas três ilhas que formam o centro do Recife, algumas construídas em pátios que possuem casarios ao seu redor. Algumas compondo conjuntos arquitetônicos completos, com seus conventos e capelas.


Convento Franciscano e Capela Dourada


No Convento Franciscano de Recife podemos conhecer a maior coleção de azulejos, da época da presença holandesa no País.


Capela Dourada


A Capela Dourada, datada do século XVIII, registra o período que foi construído no apogeu econômico de três elementos tradicionais da Região Nordeste: os senhores de engenho, os representantes da nobreza e as ricas irmandades e encanta os olhos de quem a visita pela harmoniosa distribuição de seus quadros e talhas douradas.


Pátio de São Pedro

Igreja São Pedro dos Clérigos


Em estilo barroco do século XVIII com um interior em formato octogonal e de uma verticalidade que impressiona os que a visitam, além da sua bela portada com seus almofadões.


Ao redor da igreja encontramos um casario que data do século XIX, com seus bares, restaurantes e espaços culturais que transforma o local em um ambiente festivo.


Forte das Cinco Pontas

Forte das Cinco Pontas


Contruído em 1630 pelos holandeses, o Forte das Cinco Pontas é o registro do período holandês no Brasil, com sede em Recife, o Forte das Cinco Pontas pode ser visitado de 3ª feira a domingo.


Forte do Brum

Forte do Brum


Construído no século XVI para proteção da parte norte da Ilha do Recife, pelos portugueses e depois conquistado pelos holandeses, voltando em seguida para os luso-brasileiros, após a retomada do poder de Pernambuco.


Voltar ao topo


Museus


Museu a céu aberto

Museu a Céu Aberto


Na Rua do Bom Jesus, além de apreciar o casario de prédios alongados e estreitos, que registra a influência holandesa nas construções, podemos visitar o Museu a Céu Aberto que nos leva a conhecer as ruínas de muralhas que circundavam a cidade, ainda nos tempo que esta era fechada pelas suas portas e seus Arcos da Conceição, do Bom Jesus e de Santo Antônio.



Sinagoga Kahal Zur Israel


Na Rua do Bom Jesus, a antiga Rua dos Judeus, encontramos a Primeira Sinagoga das Américas, que teve sua liberdade de culto no período do governo do Conde Maurício de Nassau, podendo assim conhecermos a história cultural desse povo, que pouco tempo após a expulsão dos holandeses seguiram em direção a cidade hoje conhecida como Nova York e fundaram a sua sinagoga surgindo assim uma nova comunidade judaica na América. Conheça mais sobre a sinagoga Kahal Zur Israel.


Museu do Homem do Nordeste


Com uma exposição permanente de 3.500 peças, o Museu do Homem do Nordeste é parada obrigatória para quem quer conhecer a síntese da formação do homem do nordeste do Brasil. Faz parte do Instituto de Documentação da Fundação Joaquim Nabuco idealizado pelo sociólogo Gilberto Freyre, autor de Casa Grande e Senzala e Sobrados e Mocambos.


Oficina Francisco Brennand

Oficina Cerâmica Francisco Brennand


Um impressionante museu que acolhe peças de feições misteriosas e simbólicas, foi fundado na década de 70, a partir do Engenho São João. Rodeada de jardins, projetado por Burle Marx, encanta pelo seu silêncio cortado apenas pelos cantos dos pássaros da imensa Reserva de Mata Atlântica que a rodeia.


Instituto Ricardo Brennand


O Instituto Ricardo Brennand é um espaço cultural que abriga museu, pinacoteca, biblioteca e outros espaços. Foi criado pelo colecionador Ricardo Brennand e está situado no bairro da Várzea. O museu possui acervos de obras de arte das mais diferentes procedências e épocas, levando-nos a uma viagem no tempo que vai da Europa medieval do século XV, do Brasil Colonial das invasões holandesas, século XVII, até o Brasil do século XIX. Vale a pena visitarmos.


Fundação Gilberto Freyre


A Vivenda Santo Antonio de Apipucos, hoje Casa-Museu Magdalena e Gilberto Freyre, está instalada no local em que o escritor escolheu para morar, por mais de 40 anos: o bucólico e tradicional bairro de Apipucos.

A construção, reconhecida como casa-grande original do século XIX e reformada em 1881, abriga o conjunto de objetos colecionados, guardados e ordenados pela família Freyre.

A preservação do ambiente, exatamente como fora concebido por Gilberto, revela a emoção e a sensibilidade diante da formação de um acervo que enfaticamente testemunha a vida de Pernambuco, do país e de diferentes locais do mundo. Aí se confundem imagens sacras católicas com peças de origem africana, azulejos portugueses com peças da arte popular brasileira, porcelanas orientais com prataria inglesa e portuguesa, além de um vasto acervo bibliográfico e de uma rica pinacoteca.


Memorial Luiz Gonzaga


O Memorial Luiz Gonzaga é um espaço cultural , que acolhe um acervo formado por discos raros de 78 rpm, Long Plays, CDs, fotos, impressos, álbuns de recortes, vídeos e arquivos de áudio em formato MP3. Constitui uma coleção singular. Além de um conjunto de documentos cedidos para replicação pelo Parque Aza Branca, construído pelo Mestre do Araripe em seu torrão natal, na cidade de Exu - fotos, partituras e álbum de recortes.


Voltar ao topo


Jardim Botânico


Quem pensa que o Recife é apenas a Terra do Frevo, do Maracatu, do Caboclinho e São João e de Sol e Praia, não sabe o que está perdendo!


No Recife você pode também fazer visitas a parques ecológicos, em um ambiente de Mata Atlântica.


O Jardim Botânico ocupa uma área de 10,7ha, Unidade de Conservação Municipal denominada Matas do Curado, além de uma área de 113,6ha pertencente, em sua maioria, ao patrimônio do Exército. Nesse espaço poderá ser contemplada a fauna e a flora ocorrente na Mata Atlântica, além de poder apreciar abelhas sem ferrão, e conhecer um pouco mais do alto valor terapêutico do mel.


Para os amantes das orquídeas, o Jardim Reserva um espaço só para elas com todas as informações científicas, além de seu lado mais mítico, como é a da Lenda da Orquídea.


Visitas dirigidas pelos monitores do Jardim Botânico.


Voltar ao topo


Passeio de Catamarã pelo Rio Capibaribe


O passeio de catamarã no Rio Capibaribe, o mais conhecido de Pernambuco, possibilita conhecer o Recife de Dentro pra Fora, passando embaixo de cinco pontes das oito pontes que cortam o centro do Recife, quando você pode conhecer os principais pontos turísticos e culturais do centro do Recife, tais como o Casario da Rua da Aurora, Palácio do Governo, Marco Zero e Parque das esculturas de Francisco Brennand. Com duração de aproximadamente 1:15h (uma hora e quinze minutos), este passeio é uma ótima opção para quem quer conhecer o Recife de forma tranqüila. Passeio com saídas diárias.


Voltar ao topo


Compras


O Recife dispõe de várias opções de compras, seja em shoppings centers, seja em mercados públicos.


Shopping Centers


O Shopping Center Recife em Boa Viagem é uma excelente opção para compras, lazer, serviços diversos, clínicas médicas, gastronomia, além de uma exposição de artes permanente.


Destaque para o Shopping Center Paço Alfândega, que além de suas opções de compras e lazer, o prédio leva-nos aos séculos XVIII e XIX com o conforto do Século XXI.


Mercados Públicos


Vale a pena conhecer os mercados públicos do Recife que é parte da tradição local, seja no quesito lazer ou compras de produtos artesanais e também onde podemos encontrar as deliciosas castanhas de caju torradinhas, ervas locais e até poder consultar-se com o Dr. Raiz e as rezadeiras. Os mais procurados são:


Mercado de São José


A arquitetura é típica do século XIX. Com inspiração o mercado público de Grenelle, de Paris. Projetado por Victor Lenthier, com detalhes de Louis Vauthier. O mercado público mais antigo do Brasil.


Mercado da Boa Vista


Localizado no Bairro da Boa Vista, foi inaugurado no século XIX. Foi local de venda de escravos. E hoje a influência dos negros é registrada pelas rodas de sambas que acontece aos sábados, alternando com recitais de cordel.


Mercado da Madalena


Local onde se reúne a nação forrozeira de Pernambuco. Sempre aos sábados é comum encontrar artistas locais reunidos fazendo o mais autêntico forró pé-de-serra. Além das opções de compras de artesanatos e frutas típicas.


Mercado de Casa Amarela


Bairro onde nasceu e viveu o ilustre educador Paulo Freire, o Mercado de Casa Amarela possui uma estrutura arquitetônica em ferro que foi trazida de bonde pela empresa Borrione, em 1928. Na parte interna, o Grandão do Queijo é ponto tradicional de venda de charque e queijo de coalho diretamente do sertão. Mas a oferta de produtos no mercado é diversificada: há carnes e frios, peixes e crustáceos, armarinhos, ervas, flores e artesanato em palha e barro.


Voltar ao topo


Diversão


No Recife há opções para todos os gostos. Vai desde opções dançantes a locais tranqüilos para um bate papo com amigos ou um jantar romântico. Algumas opções:


Galeria Joana D’Arc


Para um público mais alternativo, a Galeria Joana D'Arc abriga bares e restaurantes, que atende a várias tribos, além de lojas especializada em moda masculina para um público mais arrojado. Também está no espaço da Galeria Joana D´Arc, o salão Corporis Fabrica, do Hair Stylist Fernando Costa. Ele, que já fez a cabeça de muitas celebridades, refugia-se em Recife e faz as cabeças mais clubbers da região. Todos estes locais funcionam à noite. Com um respeitável estoque de vinhos, o Anjo Solto é também referência para os alternativos. O Revolução Industrial segue o estilo moderno e volta e meia recebe DJ´s para instigar a galera. A Galeria Joana D´Arc funciona de terça a domingo.


Biruta Bar


Para uma noite de Lua Cheia com um clima romântico, nada melhor que o Biruta Bar com sua decoração rústica. Sua companhia irá adorar.


Downtown


Boate para um público mais jovem e admirador do rock, o Downtown é uma boa opção.



Recife, além de frevo e maracatu, é também forró. E tem forró o ano inteiro. Casas de Forró:


Forró do Arlindo


Arlindo dos 8 Baixos – Discípulo do Rei do Baião, o Arlindo dos 8 Baixos recebe em sua casa os convidados para assistir ao mais autêntico forró do Brasil.


Sala de Reboco


No bairro do Cordeiro, a Sala de Reboco recebe todas as semanas artistas locais conhecidos nacionalmente como Elba Ramalho, Dominguinhos, Santana, Genival Lacerda, entre tantos outros que fazem salão pipocar!


Casa da Rabeca


Bem pertinho de Recife, em Olinda existe a Casa da Rabeca do Brasil de Mestre Salustiano. Lá encontramos o Forró Rabecado. Vale a pena conhecer!


Voltar ao topo


Bolos


A gastronomia de Pernambuco recebeu influências indígena, africana e portuguesa. Dessa mistura surge uma culinária saborosa, de diversos aromas e cores. Tudo aqui tem ritmo, cor, cheiro e sabor. E há tempo pra tudo!


Semana Santa – Não pode faltar o bredo que acompnha o peixe ou camarão, além do feijão de côco, além do quibebe.


São João – o Rei Milho é quem comanda! Ele está na pamonha, canjica, bolo, mungunzá, milho assado ou cozido.


Além do bolo de macaxeira, bolo pé-de-moleque e o famoso bolo de Souza Leão e de Rolo. Para estes dois, destacamos ser patrimônio de Pernambuco.


Aproveite a oportunidade nessa viagem de sabores e procure saber o que o famoso sociólogo Gilberto Freyre pensa desse importante item na formação do povo brasileiro em seu livro intitulado Assucar e tente fazer alguns dos quitutes que constam nas receitas desta obra. E se sobrar tempo não deixe de visitar o Casarão Gilberto Freyre.


Bolo Souza Leão


Esse bolo é patrimônio da cultura de Pernambuco. Conta a história que o bolo foi servido pela família Souza Leão — dona de vastos canaviais — ao imperador dom Pedro II e sua mulher, Teresa Cristina, em viagem a Pernambuco. O casal real empanturrou-se.


O Bolo Souza Leão já tem 140 anos e entre os seus ingredientes traz um generoso pedaço da história pernambucana. Não se permitia servi-lo em qualquer utensílio. A tradição obrigava o uso de pratos de porcelana ou cristal.


Bolo de Rolo


Patrimônio cultural e imaterial de Pernambuco, essa delícia é sem dúvida uma deliciosa especiaria que compõe a vasta culinária pernambucana. É presença garantida em todo evento que se apresenta Pernambuco.


Mais um motivo para visitar Recife!


Voltar ao topo


Pernambuco das Paixões


Paixão de Cristo em Nova Jerusalém


É em estado de paixão que o Estado de Pernambuco recebe seus visitantes de todos os outros Estados vizinhos e de outros países no período da Semana Santa!


Além de Sol e Mar, de Nação Cultural, de lugar de negócios e eventos, do segundo maior pólo médico e de informática do país, Pernambuco hoje se consolida como o Estado das Paixões.


Mas não é à toa!


Em Pernambuco encontra-se o maior teatro ao ar livre do mundo. Que agora também é Patrimônio Cultural Material e Imaterial de Pernambuco.


Falamos de uma cidade cenográfica, no município do Brejo da Madre de Deus, no Agreste de Pernambuco, onde é encenado o espetáculo da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém.


Para chegar-se a Nova Jerusalém pode-se ir pela BR 232 e aproveitar e dau uma passadinha nas cidades de Bezerros (Terra dos Papangus) e Caruaru (Capital do Forró) e que tem a sua famosa Feira de Caruaru, hoje Patrimônio Imaterial de Pernambuco.


Paixão de Cristo do Recife


Em Recife também é realizado o espetáculo da Paixão de Cristo na Praça do Marco Zero. A Paixão do Recife é, indiscutivelmente, emocionante!


Trata-se de um mega-espetáculo dirigido por José Pimentel (que fez o papel de Jesus Cristo durante vários anos em Nova Jerusalém) e que leva o público ao ápice de aplausos em sua última cena, quando o Cristo ressuscitado surge nos céus, de braços abertos, como símbolo da fé, da vida nova, com efeitos especiais que deixa todos extasiados.


Se entregue às paixões em Pernambuco!


Voltar ao topo


Serviços


Metrô


Venha de onde vier...


O Recife dispõe de serviços de transportes de metrô que possui conexão com ônibus que levam para as diversas áreas da Região Metropolitana do Recife, diminuindo as distâncias.


Além de levar você ao TIP – Terminal Integrado de Passageiros, de onde você poderá visitar cidades interioranas como Caruaru, Bezerros, Gravatá, Garanhuns, e os pólos de confecção Toritama, Santa Cruz do Capibaribe, Taquaritinga do Norte e Caruaru.


Moda e Sulanca


De nome curioso, o que antes era uma pequena feira, surgiu um segmento de mercado que trouxe para o Agreste de Pernambuco a estabilidade de algumas cidades, como Santa Cruz do Capibaribe, Toritama, Caruaru e Taquaritingado Norte.


Mas o que é Sulanca?


O termo surgiu a partir de confecções feitas com retalhos de helanca trazida do sul do país, que encontrou na criatividade do povo do agreste de Pernambuco um novo nome para roupas que abriu novas possibilidades.


Pólo Médico


O Recife possui o segundo maior Pólo Médico do Brasil. Possui aproximadamente 400 hospitais, uma média de oito mil leitos. Com essa estrutura, aliada às clínicas médicas, laboratórios e centros diagnósticos, é Recife referência na área de saúde no Brasil e mais importante do Nordeste. Por ser pólo médico, Pernambuco tornou um excelente local para a realização de grandes eventos na área de saúde.


Alguns hospitais:


Hospital Unimed Recife; Hospital Jayme da Fonte; Hospital Santa Joana; Hospital De Ávila; Hospital Esperança, Hospital de Olhos de Pernambuco-HOPE; Clínica de Queimados; Albert Sabin; Hospital Portugês; Hospital de Câncer de PE; Hospital Osvaldo Cruz, Hospital da Restauração; Hospital Getulio Vargas.



Voltar ao topo